Veja mais sobre o Abel Tasman National Park aqui=> https://www.viajoteca.com/abel-tasman-national-park/

Explorando o Abel Tasman National Park

Explorando o Abel Tasman National Park

Com clima subtropical ameno, praias desertas e emolduradas por uma exuberante vegetação nativa. O Abel Tasman National Park oferece aos seus visitantes inúmeras opções de passeios e atrações que podem ser realizados praticamente durante todo o ano, e que vão desde passeios de barco, veleiro e kayak. Passando por trilhas de um, ou até mesmo vários dias.

Localizado na região de Motueka nos arredores de Nelson no extremo norte da Ilha Sul da Nova Zelândia, o Abel Tasman National Park é um dos 14 parques nacionais neozelandeses. E apesar de ser o menor deles, com aproximadamente 25.000 hectares, o parque nacional de Abel Tasman é um dos mais populares e visitados parques nacionais da Nova Zelândia.

Fechado para o trânsito de veículos, o Abel Tasman National Park pode ser explorado basicamente de 2 formas: Pelo mar, através dos operadores de water táxi e passeios de Kayak que ligam diferentes pontos ao longo da costa. Ou à pé, através das inúmeras trilhas que cortam o interior do parque.

Imprevistos acontecem! Garanta seu seguro de viagem aqui!
Utilize o link promocional: CLIQUE AQUI para receber desconto em sua compra.

Dentre as trilhas, a Abel Tasman Coastal Track, uma das 9 Great Walks do departamento de Conservação da Nova Zelândia, é sem dúvida a mais popular de todas. A Abel Tasman Coastal Track é uma magnífica trilha de cerca de 55km de extensão que margeia boa parte da costa do parque, e que é bastante procurada devido a suas fantáticas vistas ao longo do caminho.

A trilha em toda sua extensão é de fácil à moderado grau de dificuldade e tem como principal desafio as inúmeras subidas e descidas que dificilmente ultrapassam os 150 metros de elevação. A trilha é geralmente vencida em sua totalidade numa caminhada de 3-5 dias que dependem diretamente do seu grau de preparo físico e disponibilidade de tempo.

Ao longo do caminho existem diversas modalidades de hospedagem. A mais popular são as Huts (Cabanas) do DOC (Department of Conservatrion). Para se hospedar nestas Huts do DOC, você precisa fazer reservas com antecedência neste site. Durante os meses de verão, os espaços relativamente limitados das Huts tendem a encher rapidamente. Por isso, reservar com antecedência é digamos fundamental.

Além das Huts, o DOC oferece outras inúmeras opções de camping para quem leva barraca (também precisa de reserva). E para quem procura um pouco mais conforto, existe ainda a opção de fazer a caminhada e se hospedar em “luxury” lodges como o Torrent Bay Lodge e o Awaroa Lodge. Outra alternativa é segmentar a trilha e pegar o water taxi ao longo dos 3 ou 5 dias de caminhada. A escolha é sua!!

Durante nossa passagem pelo região após nossa road trip de Motorhome pela Ilha Sul da Nova Zelândia, acabamos explorando o Abel Tasman National Park de forma compacta em apensa 1 dia e meio, combinando um passeio de Kayak de Kaiteriteri até a Split Apple Rock, com um passeio cênico de water-taxi até Tonga Quary, seguido por aproximadamente 4.5km de trilha até Bark Bay de onde embarcamos no Water-Taxi de volta até Kaiteriteri.

Pela parte da manhã, fizemos o passeio de Kayak até a Apple Split Rock como conto neste post aqui. Depois de retornarmos azuis de fome até a praia de Kaiteriteri, aproveitamos para comer rapidamente um Fish and Chip num trailer alí pela praia mesmo, antes de embracarmos no Water-Taxi da Abel Tasman Sea Shuttle em direção a Tonga Quarry para fazermos um trecho da trilha.

Embarcamos no water-taxi das 12:40 e depois 3 rápidas paradas ao longo do caminho, em aproximadamente 1 hora estávamos chegando em Tonga Quarry, onde desembarcaríamos para fazer os 4,4 km de trilha até Bark Bay.

Pelo caminho, além de comtemplar o belíssimo visual do parque visto da água, podemos comtemplar também um pouco da vida selvagem que habita o parque. Vimos muitas aves marinhas e quase chegando ao nosso destino alguns leões marinhos com seus respectivos filhotes.

Quando começamos a avistar os leões marinhos, já estávamos dentro da Tonga Island Marine Reserve, uma reserva marinha criada justamente para proteger eles e outros animais onde qualquer modalidade de pesca ou extrativismo é proibida. Obviamente ver os leões marinhos do barco foi legal, porém numa próxima oportunidade, adoraria estar num kayak para observá-los mais de perto e quem sabe até “interagir” com eles. Por sinal, nessa área além de ter muito peixe graças a criação da reserva, a visibilidade da água me pareceu razoável. Acho que fazer um snorkel por alí, não seria má idéia. Lembrando que você deve sempre manter uma distância cerca de 10-20 metros dos animais.

Quando finalmente chegamos em Tonga Quarry, fomos uns dos últimos a desembarcar do nosso Water Taxi. E depois de algumas fotos, iniciamos nossa caminhada em direção ao sul em direção à Medlands Beach.

Este trecho de trilha que fizemos, é justamente parte da Abel Tasman Coastal Walk, uma das 9 Great Walks da Nova Zelândia e como já era de se esperar, era super bem sinalizada e muito bem conservada.

Ao contrário do que eu imaginava, estre trecho da trilha não margeava a costa. E sim, atravessava a península através da montanha. Mesmo assim, com um pouco de elevação, ofereceu belas paisagens ao longo de todo o caminho.

Uma das coisas que eu mais curto fazendo trilhas na Nova Zelândia é observar a diversidade de pteridófitas (samambaias) que você encontra ao longo do caminho. Apesar de boa parte da vegetação original do parque tenha sido destruída pelos primeiros colonizadores da área no início do século passado, desde que a região foi transformada em Parque Nacional em 1942 ela vem aos poucos se regenerando e voltando ao seu estado de conservação original. No entanto, árvores grossas, ainda são relativamente poucas que você encontra ao longo do caminho pela costa.

Além das pteridófitas, pude observar uma boa quantidade de outras plantas avasculares, algumas das quais muito semelhantes com as que encontrava no sítio da minha avó na ilha de São Francisco do Sul em Santa Catarina.

Outra coisa que via muito quando era criança neste sítio e que vi fazendo essa trilha, foi um liquen que lembra uma esponjinha que costumava pegar para enfeitar o presépio na época de natal e que nunca tinha visto em nenhum outro lugar.

Em termos de vida selvagem, assim como em quase toda a nova Zelândia, a fauna do Abel Tasman National Park consiste basicamente em aves. Embora os Kiwis ainda não tenham sido reintroduzidos na região, você possivelmente encontrará Wekas, Tuis, Shags, Oyster Catches e outros passarinhos menores como o simpático Fantail e o Silver Eye. Prestando um pouco de atenção ao longo da trilha, você irá perceber inúmeras armadilhas para capturar mamíferos como os Stoats e Possums. Introduzidos no século passado para controlar outras populações de mamíferos invasores, hoje eles tornaram-se um problema ainda maior que os animais pelos quais eles foram introduzidos. Pois as aves, por nunca terem tido predador natural, são alimento muito mais fácil o que tem dezimado as populações de aves nativas.

Ao longo da trilha, passamos por várias pessoas vindo no sentido contrário o que de certa forma tira um pouco a sensação de estar fazendo uma trilha sozinho pela mata. O problema na minha opinão, não é dividir a trilha com outras pessoas, e sim ter que ficar escutando o barulho que algumas delas fazem quando fazem a trilha conversando com outros membros do grupo e dando altas risadas, quando você está alí para curtir a natureza.

Ainda assim, foi uma caminhada super prazerosa que com várias paradas para fotos acabou durando cerca de 2 horas. Um dos pontos mais legais da trilha na minha opinião foi quase chegando em Bark Bay. Como a maré ainda estava cheia acabamos tendo que ir pelo caminho mais longo e tivemos que contornar uma região de estuário até um pequeno vale com uma cachoeirinha caindo em direção ao mar.

Por alí havia também uma ponte pênsil super fotogênica. Enquanto tirava algumas fotos da ponte, um martin pescador resolveu aparecer. Quando a maré está baixa, dá para ir caminhando pela praia, sem passar pela ponte, de toda forma recomendo o caminho mais longo nessa parte da trilha.

Em Bark Bay, aproveitamos para dar uma espiada rápida na Bark Bay Hut. Afinal de contas, no final deste mês estarei fazendo minha primeira Great Walk e vou passar 2 noites numa cabana dessas ao longo da Routeburn Track. Achei tudo muito bem organizado, depois eu conto como foi essa experiência de dormir num bunker com outros desconhecidos por aqui.

Como chegamos ao ponto final de nossa caminhada, cerca de 45 minutos antes do nosso water-taxi passar para nos pegar em Bark Bay, aproveitamos para besliscar algumas coisas que havíamos levado na mochila. Enquanto isso, aproveitávamos também para observar a natureza e a paisagem ao nosso entorno.

Endereço Abel Tasman Sea Shuttles

Abel Tasman Sea Shuttles

Kaiteriteri Beach

Nova Zelândia

GPS

Latitude Longitude
S 41 02.279 E 173 01.005

[/vc_column][/vc_row]

Oscar Risch participou do Beaches and Seals como convidado da Kaiteriteri Kayaks. E como parte de nossa política de relacionamento com os leitores, todas as opiniões e impressões refletem única e exclusivamente a experiência do autor.

Se este post foi útil para você, ajude o blog a continuar existindo reservando hotel, alugando carro, contratando seguro viagem, comprando passagens, SIM Cards e reservando seus passeios e atrações. Prestigiando nosso trabalho e planejando suas viagens através dos links do blog continuaremos a postar dicas e posts de nossas aventuras pelo mundo e assim esperamos ajudar a melhorar ainda mais a sua experiência de viagem.

Reservando através dos links do blog você não paga mais por isso, mas o blog recebe uma pequena comissão. Você pode ficar sabendo mais sobre como isso funciona na política do blog Fotos & Destinos.

Aproveite também para seguir nossas redes sociais como Instagram e Facebook

 

Obrigado!!

Oscar Augusto Risch

2 Comentários

  1. avatar
    Posted by Letícia Vieira| 08/01/2016 |Responder

    Oi Oscar, tudo bem? Achei seu post bem detalhado e completo e gostaria de sanar algumas dúvidas. Vou pra NZ agora em fevereiro, reservei 2 dias inteiros em Abel Tasman e, como não tenho muito tempo, me interessei bastante pela combinação que você fez. Gostaria de saber se tal combinação já é oferecida nas agências ou você meio que montou e, se sim, como o fez? Quanto no total ficou o passeio?

    • Posted by Oscar Augusto Risch| 10/01/2016 |Responder

      Olá Letícia tudo jóia?
      Então acho que dois dias é tempo “mínimo” ideal para explorar essa região do extremo norte da ilha sul.. Sim as agencias / operadoras de oferecem passeios na região tem esse negócio combinado com passeio de barco + Kayak + Trilha.. Lembrando se voce curte caminhada/acampamento, fazer toda a trilha do Abel Tasman National Park (se não me engano 3 dias) é uma experiência muito legal.. Ela é uma das 9 Great Walks da Nova Zelândia.. Eu fiz apenas alguns trechos dela mas tudo que eu vim foi fantástico.. Se não curte longas caminhadas esse esquema como que eu fiz com a Abel Tasman Sea Shuttle é uma boa opção e apesar de ter feito esse passeio como cortesia ele custa 139 NZD
      Espero ter ajudado
      Abraço

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Todos os campos são requeridos.